Opções de Empréstimos

Quais são as opções de empréstimos para sua empresa?

Muitas vezes as empresas precisam recorrer a mecanismos de crédito para poderem honrar seus compromissos, conseguirem fazer compras de ativos, investir em expansão ou novos produtos, entre outros.

Por mais que ocorra um controle financeiro impecável, há situações emergenciais que levam a esse tipo de necessidade. Quando bem aplicado, o retorno pode ser compensatório para a organização. Mas, para que isso aconteça, é fundamental que ocorram as escolhas certas.

A empresa pode recorrer a empréstimos para este fim. Porém, há diversas opções no mercado, que variam de acordo com o tipo do negócio, bem como o momento no qual é solicitado.

Então veja quais são as opções, tire suas dúvidas sobre o tema e escolha a melhor opção para seu negócio! Boa leitura!

A diferença entre empréstimo e financiamento

Uma dúvida comum, principalmente para quem está começando na área e para leigos é: quais as diferenças entre empréstimo e financiamento? Bom, vamos esclarecê-las a seguir.

O empréstimo é uma modalidade de crédito na qual você não precisa justificar o seu uso. Você pode utilizá-lo para os mais diferentes fins, caso queira. Desde que seu negócio cumpra a obrigação de realizar o pagamento, estará tudo certo.

Não ter um objetivo pré-decidido acaba fazendo com que os empréstimos tenham um diferencial em relação ao financiamento no que diz respeito ao número de parcelas e juros, sendo os valores mais altos do que os praticados nos financiamentos.

Diferente do empréstimo, no financiamento há um contrato que discrimina qual é o bem que será adquirido, mostrando onde o dinheiro será investido e comprove sua aplicação.

Tipos de empréstimos existentes

Há diversos tipos de créditos existentes, mas focaremos naqueles que são destinados, principalmente, para Pessoas Jurídicas, ou seja, para organizações.

A mais tradicional — e, consequentemente, com menor benefício — é o cheque especial para empresas (LIS). Ele possui uma taxa alta de juros, o que pode comprometer consideravelmente o orçamento da sua empresa.

Uma das opções mais utilizadas pelas organizações é o empréstimo para capital de giro, a fim de manter todas as contas em dia e fazer o negócio continuar em funcionamento. Ele é restrito a Pessoas Jurídicas e possui uma taxa valor menor do que a praticada pelo cheque especial (1,40% a 3,39% ao mês), com condições mais favoráveis de pagamento.

Para as pequenas empresas, o risco de um empréstimo tradicional pode ser muito alto, a ponto de comprometer a segurança financeira do negócio com as taxas de juros. Para essas situações, a fim de viabilizar crédito e permitir a competitividade dessa área, foi criado o microcrédito.

Nesta modalidade os juros são menores que as taxas tradicionais do mercado e não é exigido comprovação de renda para obtê-lo, basta apresentar outra garantia como um imóvel ou fiador.

Porém, nestes casos, os valores disponibilizados são mais baixos. Mas são uma boa opção para realizar pequenos investimentos que auxiliam no crescimento do lucro empresarial.

Crédito pessoal e startup

Realizar empréstimos em nível pessoal pode ser mais simples, sendo o valor depositado na conta de pessoa física. Essa modalidade está disponível basicamente para as empresas registradas como MEI e startups.

Embora as taxas de juros relacionadas a essas empresas sejam altas, sendo cerca de 6.5% ao mês, as opções de pagamento são variadas, o que auxilia a evitar possíveis atrasos.

Além de utilizar a opção de débito automático, o crédito pessoal pode ser pago através de boleto bancário ou cheque pré-datado, o que facilita o pagamento para os gestores que, muitas vezes, nessas modalidades, atuam praticamente sozinhos na administração do negócio (é o caso dos autônomos registrados como MEI, por exemplo).

Para aqueles que estão iniciando o projeto de um startup, essa pode ser uma opção viável, dado que cede ao sujeito um valor inicial para investir na empresa, sem que exista uma série de pormenores envolvidos nesta ação, relacionados ao próprio negócio.

Cheque especial

Nós falamos sobre o cheque especial antes, mas é importante trazer ele de volta para a discussão, já que ainda é uma modalidade bastante utilizada no país como recurso emergencial e rápido para obtenção de crédito.

O valor está disponível para ser obtido prontamente na conta corrente da empresa ou do gestor, como uma espécie de extra. Basta realizar o uso, saque ou transferência que o crédito é obtido imediatamente.

Ter esse recurso disponível pode ser uma vantagem para conseguir um crédito emergencial imediato, dispensando a necessidade de entrar em contato com o gerente da conta ou esperar aprovação das entidades financeiras.

Porém, seu uso recorrente pode gerar altos custos de juros — na modalidade pessoal, por exemplo, os valores estão em uma média de 306,9% ao ano, mesmo tendo passado por uma queda recente.

Para que fique mais claro: se a sua empresa utiliza 1000 reais do cheque especial no dia de hoje e não realiza o pagamento no período de um ano, ao final de 12 meses a sua dívida estará em 4069 reais. Complicado, não é mesmo?

O pagamento da dívida do cheque especial é feito em dias pré-definidos pela instituição financeira ou quando é debitado em sua conta o valor referente a dívida. Caso isso não ocorra, o valor é transferido para ser debitado no mês seguinte, já acrescido de juros.

Capital de giro

O capital de giro é a quantia existente na empresa que a possibilita continuar funcionando. Os valores relacionados são aplicados a melhorias do negócio, assim como a pagamentos de impostos, fornecedores e colaboradores.

Existe a possibilidade de obter crédito específico para esta função, possibilitando melhorias de fluxo de caixa, quitação de dívidas, assim como desenvolvimento do negócio em outros aspectos.

Esta modalidade de crédito é obtida por empresas já formalizadas, as quais estão ativas no mercado. A depender da linha de produção existem condições específicas para estas.

Sendo exclusividade, portanto, de pessoas jurídicas é uma opção viável, dada a baixa taxa de juros que fica em torno de 3,39% ao mês a depender do banco com o qual se trabalha.

Para as empresas que desejam recorrer a outras opções que não o empréstimo ou financiamento para quitar suas dívidas, podem optar por outras ferramentas, como a antecipação de recebíveis ou cessão de crédito.

Dessa forma, você antecipa um valor que já seria da sua empresa para que possa cobrir possíveis dívidas e consegue manter as suas contas em dia. Esse tipo de mecanismo tem taxas menores do que os juros praticados pelas modalidades de empréstimo que falamos acima e nada mais é do que você receber, antecipadamente, uma quantia que já pertence a sua empresa.

Entendeu quais são suas melhores opções de empréstimos?

Você tem interesse em contar com a antecipação de recebíveis ou com a cessão de créditos para este fim? Então saiba como uma Factoring pode lhe auxiliar nisso! Veja nosso artigo e saiba mais sobre essa modalidade de empresa!

Adicionar comentário